sábado, 4 de janeiro de 2020

Iroko - A Árvore Orixá

Iroko - A Árvore Orixá
Ao contrário do que dizem, Iroko não é o Orixá do Tempo mas sim está relacionado à uma árvore sagrada africana cujos cultos são diversificados de acordo com as comunidades africanas e suas origens. A relação que existe entre Iroko e o "tempo" é devido a um Orixá da nação Bantu (das regiões de Angola, Congo e Moçambique) denominado Kitembo que foi posteriormente associado a Iroko da nação Iorubá (das regiões da Nigéria, Benin e Togo). Porém, não se trata da mesma deidade, já que o Candomblé de Angola possui muitas diferenças do Candomblé de Ketu.
Milicia excelsa - Iroko Africano
Iroko, embora esteja relacionado à um Orixá especificamente, é mesmo o nome de uma árvore da família Moraceae cujo nome científico é Milicia excelsa. Esta relação sim é congruente, e há conexões entre esta espécie e o Orixá em sua terra de Origem. No Brasil há alguns exemplares de Iroko, até onde se sabe, todos pertencentes a terreiros de Candomblé.
É um tipo de árvore bastante alta, que pode chegar aos 50 metros e que, quando cortada, derrama um latex branco que alguns acreditam ter propriedades curativas, sendo bastante utilizado na medicina popular de algumas regiões da África.
De acordo com o Babá Zarcel, sacerdote do candomblé e estudioso dos mitos tradicionais Iorubás, em algumas tradições, Iroko não é considerado um Orixá mas sim uma árvore que serve como ponto de culto e local de oferenda à alguns orixás, principalmente à Oluerê,  um orixá caçador (Odé) relacionado à Oxóssi, muitas vezes tido como uma das qualidade de Oxóssi, ligado aos espíritos antigos e também às Iamí Oxorongá (* leia no post "Oxóssi, o dono das matas).
Ou seja, há muita complexidade nos mitos africanos, porém, a relação entre as matas, seus seres místicos, as árvores, as florestas, os  animais e os caçadores estão quase sempre interligados.

Festa de Iroko de Carybé


* Continua




Nenhum comentário:

Postar um comentário