segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

A Deusa Branca

Há tempos gostaria de postar a respeito daquela que é, sem dúvidas, a minha grande musa.
Dentre tantos livros que li, "A Deusa Branca", de Robert Graves, é um dos mais fabulosos que pude apreciar, tanto que se tornou o meu livro de cabeceira. A obra é muito mais do que uma joia literária, mas um grande compêndio quando se trata de estudos teológicos, mitológicos e antropológicos.
Conheci "A Deusa Branca" há alguns anos, quando buscava saber mais a respeito de uma mulher que me aparecera em sonho.
Ela tinha a pele alva, cabelos prateados, vestida uma espécie de túnica branca translucida e seus pés não tocavam o chão. Estava suspensa no ar como uma fada.
Ao acordar tive a certeza de que havia sonhado com uma deusa a qual denominei por conta própria de "Deusa Branca". Mas quem era a Deusa Branca eu não sabia.
Fui então buscar pela mulher que me aparecera. Devia haver, em alguma mitologia, alguma deusa denominada, simplesmente, "Deusa Branca".
Bem, era algo mais surpreendente do que eu supunha.
 

Quem é a Deusa Branca?

Bem, a principio podemos dizer que a Deusa é a grande Musa... Em inglês a palavra "muse" pode designar tanto "Musa" ( mulher que inspira o poeta), como a própria "inspiração". Ou seja, ela é a pessoa ( o ser ) e o sentir ( sentimento ).
"A Deusa Branca", de Robert Graves, é o relato dos mitos poético mas, além disto, desbrava a história das deidades, já que foram as primeiras e principais fontes inspiradoras para a poesia.
É sabido que a lua, desde os primórdios da humanidade, foi vista como uma deusa. Robert Graves diz: "Escrevo sobre ela como a Deusa Branca porque o branco é sua cor principal, a cor do primeiro membro da trindade lunar... a lua nova é a Deusa Branca do nascimento e do crescimento;".
Fato é que os antigos, ao descobrirem a grande influência da lua nas marés, nas plantações, no ciclo menstrual, entre outros, a tomaram como uma das grandes responsáveis pela existência de todas as coisas. Ou seja, ela tinha um poder que estava acima do explicado, portanto, foi divinizada.
Graves continua: "... a lua cheia, a Deusa Vermelha do amor e das batalhas; a lua velha (minguante), a Deusa Negra da morte e da adivinhação.". 
Ou seja, a deusa não é simplesmente Branca, mas a Branca é a grande retentora e progenitora da vida.A Deusa Branca simboliza a divindade feminina em sua plenitude, uma única representatividade de uma deusa que tem milhares de nomes como dizem os neopagãos.


13 comentários:

  1. Boa noite Oengus,
    gostei do artigo, lembra-me a Deusa do Lótus Branco do livro "O Idílio do Lótus Branco" de Mabel Collins (Ocultista), um dos livros que mais me tocou! Vou procurar esse que referiu.
    Abraço desde Portugal
    MagRosa

    ResponderExcluir
  2. Continua ......... é bom saber que alguém se interessa a fundo pelo que eu também me interesso.........

    ResponderExcluir
  3. muito bom, era o que eu estava procurando!!

    ResponderExcluir
  4. Ameeeii, esse texto foi muito importante pra mim

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. A Deusa Branca, na realidade é toda mulher que a paixão ardente a trasforma em musa, ou seja é poesia pura.

    ResponderExcluir
  7. Na verdade, o artigo faz referência a um livro, de fato, muito importante. Mas não fez uma síntese dele. O Lívro fala mais da linguagem dos mitos e de como encontramos os deuses e deusas na poesia. Graves desvenda o alfabeto das árvores. Mostra-nos os versos da Canção de Amergin e a História das batalhas travadas na antiguidade da Irlanda e região do Reino Unido. O mundo da palavra e das lições dos Mitos está ali para nós. Esta sim a essência que nos aproximará da Deusa Branca, compreender seus mistérios e mensagens, seja ela a dos sonhos do autor deste site, seja aquela Deusa Mãe que habita todos os significados que podem nos ser passados pela Mitologia. Faltou mencionar, portanto, do que se trata o livro. Hermético, de difícil leitura, mas muito importante aos seguidores e pesquisadores da Grande Deusa. Espero que este comentário seja deixado. Não é crítico, mas complementar Abraços.

    ResponderExcluir
  8. OLá Rose... Agradeço imensamente por seu comentário e adorei a sua critica....
    Realmente, deixei de expor algo de suma importância que foi a mensagem do Livro... Através dele eu conheci a mitologia das árvores e meu blog só deu início após eu conhecer esta obra e assim ir buscando mais informações sobre este tema. Portanto, o que a "Deusa Branca" queria me mostrar era um novo caminho de estudo que aborda a relação das árvores e seus aspectos de representação cultural e religioso.
    É sempre bem-vinda!! Saudações!!!

    ResponderExcluir
  9. E o Catolicismo também lançou mão de toda essa Sabedoria. Aos estudiosos, cabe descobrir como e onde (em que momentos litúrgicos, em que calendário).

    ResponderExcluir